PorkWorld - O Mega Portal da Bovinocultura de Corte Brasileira

Embalagens de defensivos: Brasil lidera reaproveitamento no mundo

Mais de 420 mil toneladas de embalagens destinadas em 14 anos....

Quinta-feira, 10 de Agosto de 2017 às 12h37

Embalagens de defensivos: Brasil lidera reaproveitamento no mundo
Embalagens de defensivos: Brasil lidera reaproveitamento no mundo
Embalagens de defensivos: Brasil lidera reaproveitamento no mundo

R$ 1 bilhão gastos em quinze anos. E 94% de embalagens plásticas primárias corretamente destinadas. Estes números fazem do Brasil o campeão na reciclagem deste tipo de material no mundo, a frente de países como EUA (33%) e Japão (50%). Os dados foram destacados durante o workshop para jornalistas realizado nesta terça-feira de manhã, dia 8, em São Paulo, numa promoção da Associação Brasileira de Agricultura e Pecuária (ABAG), Associação Nacional de Defesa Vegetal (ANDEF), Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB); Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (INPEV) e Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (SINDIVEG). O evento reuniu 25 profissionais de veículos especializados em Agronegócio dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato grosso do Sul, do Paraná e Rio Grande do Sul.

O panorama foi desenhado por Renata Nishio, coordenadora de projetos do Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (inpEV), e Juliana Silva, gerente de sustentabilidade aplicada da Fundação Espaço Eco. Elas falaram sobre “Ecoeficiência: a mensuração dos benefícios do Sistema Campo Limpo”. O Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias é uma entidade sem fins lucrativos, que representa as empresas fabricantes e atua como núcleo de inteligência do Sistema Campo Limpo, que compartilha interesses da cadeia produtiva para destinação de embalagens vazias de defensivos agrícolas. O Brasil é referência mundial no assunto, mantém quatrocentas unidades de recebimento e onze recicladoras espalhadas por todo o país, responsáveis pela destruição ou reutilização do material em 33 produtos variados, de embalagens de produtos a caixas de baterias de carros.

“O produtor deve descartar a embalagem em um ano, se o produto tiver validade de um ano, ou seis meses, se a validade for de dois anos. Podemos dizer que o trabalho nestes quatorze anos é um imenso sucesso, principalmente pelo envolvimento de todos os elos da cadeia produtiva”, comemorou Renata Nishio. Parte das embalagens descartáveis torna-se recipientes novamente. E este processo é contabilizado por instituições como a Fundação Espaço Eco. “São produtos que contém 80% do material reciclado. Usando vinte vezes menos recursos naturais. A energia economizada seria suficiente para abastecer 2,2 milhões de residências. O volume de resíduos não produzidos é o equivalente gerado por uma cidade de 500 mil habitantes em dez anos. Sem falar em 1,3 milhões de toneladas de CO2 não-emitidos pela economia no uso de 2,6 bilhões de barris de petróleo”, resumiu Juliana Silva.

Fonte: Revista Beef – Revista Ave – Revista Pork

 

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Receba FREE a Revista on-line e a Newsletter Semanal
Ave World - O Mega Portal da Avicultura Brasileira